siria-doe

Sabe quando você já entendeu algo, mas continua lendo sobre a mesma coisa em todos os lugares? É mais ou menos isso que anda acontecendo com toda essa guerra na Síria, a gente já entendeu o quão injusto é, mas há pessoas que não. Conclusão de tudo isso? Mais crianças refugiadas, pessoas morrendo e outras exiladas.

As informações divulgadas pela ONU mostram que cerca de metade da população da Síria foram deslocadas desde o início da guerra civil em 2011. DESDE 2011, ESTAMOS EM 2014, QUASE 2015. Entendem agora? Esse é o equivalente a 135 milhões de pessoas que estão sendo forçadas a se mudar. Três milhões de sírios tornaram-se refugiados no exterior e mais de 6,5 milhões fugiram de suas casas para outros locais dentro do país.

Essa informação foi completada com outra, tão inacreditável quanto, já são cerca de 200.000 pessoas mortas no conflito. É o “maior crise humanitária da nossa época”, segundo a agência de refugiados da ONU. Em relação ao avanço do Estado islâmico na Síria e no Iraque, a guerra entre Israel e o Hamas, e o colapso do governo líbio, o agravamento da crise humanitária na Síria tem recebido pouca atenção nos últimos meses.

O que isso significa para o futuro de um país, quando metade de suas pessoas são arrancadas? O que significa para os vizinhos da Síria, incluindo o Líbano, que agora tem a maior proporção de refugiados de qualquer país do mundo?

Em junho, a ONU informou que a guerra na Síria foi a maior responsável pelo número de pessoas deslocadas em todo o mundo – as que podemos definir como refugiados, requerentes de asilo e deslocados internos – ultrapassando os 50 milhões, pela primeira vez, desde a Segunda Guerra Mundial.

Nesse momento em que nos perguntamos, como uma guerra pode ultrapassar números da Segunda Guerra MUNDIAL e não ser realmente notada? Nossos governantes precisam fazer algo, por isso precisamos continuar falando, postando sobre o assunto…. por se com tantos falando pouca coisa é feita, imaginem se ninguém falasse nada?

Fonte – The Atlantic

Ana Farias postou isto no dia 14 de setembro de 2014.


Comentários
Design e programação: Isabella Sivic & Danielle Cabral