São Paulo – Crise de Água

Ontem começamos o mês com um Vídeo Ímpar sobre a necessidade de um consumo consciente. Na vibe de “se usarmos de forma consciente, não vai faltar” e esse pensamento é verdade. Como esse assunto – CRISE DA ÁGUA – anda circulando de forma intensa pelas redes, não podemos ver uma matéria que aborde o tema e não compartilhá-la. A reportagem que comentamos foi abordada por um jornal americano, ou seja, o assunto já atingiu proporções maiores do que imaginávamos. Por isso, devemos falar sobre sim. Devemos cobrar aitudes sim. Só assim vamos conseguir que as pessoas entendam o grau da preocupação e comecem a agir.

Moramos em um um país cuja “abundância de água é um orgulho nacional”, mas essa “abundância” trouxe para muitos, durante muito tempo atitudes de disperdício. Consequência: vivemos hoje uma crise da água. A falta de água em São Paulo pode estar apenas no começo, e se assim já está assustador não queremos nem imaginar como pode continuar o dia-a-dia da população se continuar assim. Uma publicação do New York Times compara a situação vivida pelos paulistanos com o cenário de cidades da Índia e do Paquistão, onde a população precisa literalmente “caçar” por água ou comprar o recurso no mercado negro.

Para o jornal americano, as obras anunciadas pelo governo para aliviar o problema são ambiciosas e deveriam ser a última solução. O correto, segundo a publicação, seria ter adotado, há meses, medidas mais agressivas para reduzir o consumo e os vazamentos. Quem lembra quando postamos aqui sobre as medidas que são adotadas no estado americano da Califórnia? Pois é, seria uma solução mais simples e mais rápida. Ideal para amenizar toda essa crise. Em vez disso, o governo decidiu diminuir a pressão do abastecimento “semeando confusão e raiva entre os que não estão aptos a conseguir água”, afirma a reportagem.

CRIATIVIDADE x NECESSIDADE

A criatividade está ajudando muitos moradores de São Paulo e outras regiões atingidas pela falta de água a desenvolver soluções para enfrentar o problema. Em meio ao caos da crise foi criado o Movimento Cisterna Já, a água da cisterna pode ser usada para fins domésticos – regar plantas, lavar roupa e calçada, fazer faxina no banheiro – mas não para o consumo humano, ou seja, beber ou cozinhar.

A página do Planeta Sustentável tem explicações mais completas sobre uso de cisternas e link para um manual de como construir a mini-cisterna, além de diversas informações, dicas e vídeos. Corre lá e confira.

Fonte – Planeta Sustentável

Ana Farias postou isto no dia 02 de março de 2015.


Comentários
Design e programação: Isabella Sivic & Danielle Cabral