Publicado por Michele Lima em 10.jul.2017

Salário de branco VS salário de preto

Uma pequena matéria do portal R7 chamou nossa atenção e resolvemos trazer para vocês. Até mesmo por todos os cenários que a nossa sociedade vem enfrentando também. O artigo destaca, em números, a diferença apontada pelo IBGE (Instituto brasileiro de geografia e estatística) entre o salário de uma pessoa branca quando comparada com o salário de uma pessoa preta ou parda. E sim, vamos falar apenas sobre raça, sem nem adicionar a questão de gênero, porque se incluímos isso o problema fica bem maior!

Os trabalhadores brancos ganham salários médios 82% superiores aos rendimentos dos pretos, conforme dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio), divulgados pelo IBGE. Um trabalhador branco tem um rendimento médio real de R$ 2.660, considerando todas as ocupações, enquanto brasileiros pretos empregados ganham R$ 1.461 — uma diferença de R$ 1.199. Os pardos ganham, em média, R$ 1.480. Entenderam que a diferença salarial emprega raça e não a função que se executa?

O desemprego também atinge mais pretos e pardos. A taxa média de desocupação no País ficou em 12% no ano passado, porém entre as pessoas de cor preta alcança 14,4% e, no caso dos pardos, foi a 14,1%. Por outro lado, a taxa de desocupação dos brancos foi de 9,5%. Essas diferenças comprovam, que mesmo que muitos não admitam, vivemos em um país racista SIM. O Brasil encerrou 2016 com 12,3 milhões de pessoas desempregadas, sendo que a participação dos pardos foi de 52,7% (portanto, mais da metade), dos brancos de 35,6% e a dos pretos de 11%.

Já entre os brasileiros empregados no final de 2016, o contingente de ocupados era de 90,3 milhões de pessoas — 41,7 milhões que se declararam brancos (46,2%), 39,6 milhões pardos (43,9%) e 8,1 milhões de cor preta (8,9%). Se essa diferença não os fazem pensar que precisamos mudar as nossas atitudes, de verdade não sei o que pode!

Os números, assim como alguns gráficos, parecem trazer um choque maior de realidade para nós. Essa diferença detectada através da pesquisa se deve a muitos fatores sociológicos, e se você nos acompanha diariamente já deve ter lido sobre alguns desses fatores. Optamos por manter o recorte dessas diferenças apenas na questão racial exatamente para não perder o foco, mas se trazemos a discussão para gênero ou mesmo, para localização de moradia, algo que possa parecer ser simples, essas diferenças são ainda maiores.

Se quiserem continuar esse debate, será incrível, deixe sua opinião sobre isso no comentário do post. Queremos saber o que vocês pensam sobre isso!

DEIXE SEU COMENTÁRIO