Selena Gomez Visits West Edmonton Mall To Greet Fans And Sign Autographs

Nós brasileiros enfrentamos muitos protestos durante esse ano, em diferentes cidades e em diferentes dias. Só que a maioria deles com os mesmos objetivos, buscar mudanças. Não publicamos nenhum dos acontecimentos por aqui, mas deixamos de uma forma muito pessoal a nossa opinião. Na época dizer que as pessoas precisavam parar com os protestos seria hipócrita da nossa parte, lutar pelos direitos deveria ser uma coisa normal. O problema é a violência como as manifestações aconteceram. Boa parte do que foi questionado nas passeatas, são direitos que estão na constituição. Ou seja, já deveriam ser de acesso à sociedade e não algo pelo qual as pessoas precisem lutar.

Não adianta tantos projetos sociais que ajudem crianças na escola, programas do governo que determinem até que idade uma criança precisa estar se formando no pré-escolar, quando as condições de estudo são precárias. Ainda temos os que contestavam por uma melhoria na saúde, afinal sabemos que infelizmente o nosso SUS não funciona como deveria. Ai, nos perguntamos, o que adianta tantas campanhas de saúde quando não vemos mudanças, melhorias e cada dia que passa faltam mais médicos quando os cursos de medicina são os mais concorridos?

Professores preferem uma instituição particular por melhores salários. Médicos preferem abrir seu próprio consultório por um melhor salário. Conclusão, poucos profissionais qualificados no sistema publico. E onde começa todo esse problema? Na EDUCAÇÃO.

Temos consciência de que as mudanças não vão acontecer assim no próximo mês, é um trabalho que exige tempo, mas ele precisa começar e logo. Nós, como parte da sociedade, é que não podemos deixar que toda essa luta caia no esquecimento. Precisamos lutar para que os alunos de rede pública sejam qualificados, capazes de entrar na faculdade e de fato TERMINA-LA. A consequência disso, a melhoria da mão de obra em todos os setores de uma sociedade. Não podemos é deixar que o Brasil acredite que o trabalho de um político seja mais importante que o de um médico ou professor, porque pela GRANDE diferença de salário existem pessoas que acreditam nisso, o que é totalmente errado.

Outra mudança que começa a se tornar um hábito, LIXO ZERO na rua. Afinal, precisamos manter a nossa cidade limpa. Um projeto que começou pelas ruas da cidade do Rio de Janeiro, mudou alguns costumes pessoais e até já acontece em algumas cidades próximas. “(…)Entre as medidas, estão os aumentos da frota de veículos e do número de garis prestando o serviço, além da estreia do primeiro caminhão híbrido de coleta seletiva da Comlurb. O projeto tem a proposta de promover a coleta seletiva em todos os bairros cariocas.”

E onde nós, como parte da sociedade, participamos desse trabalho sendo ou não cariocas na hora em que separamos o nosso lixo. Isso mesmo, esse trabalho só será positivo quando as pessoas entenderem o quão importante é criar o hábito de separar os materiais recicláveis, deixá-los limpos e secos em sacos plásticos transparentes; só assim o gari terá condições de verificar o conteúdo, evitando a mistura com o lixo domiciliar.

Vamos continuar fazendo a diferença e pensando verde em 2014, ok?!.

Ana Farias postou isto no dia 25 de dezembro de 2013.


Comentários
Design e programação: Isabella Sivic & Danielle Cabral