end alz site

Continuando nossa semana dedicada ao ‘demorar para esquecer’, porque já aprendemos que ainda não foi encontrada puma cura para o alzheimer, mas é possível proporcionar um tratamento melhor se há diagnóstico precoce. O vídeo que postamos hoje trata exatamente desse assunto. Reserve pouco mais de seis minutos do seu dia, assista e pense mais sobre esse assunto. É comum as pessoas acharem que os sintomas mais comuns da doença hábitos comuns, mas não são.

..:: PENSEM ::..

QUANTO ANTES a doença for descoberta, MELHOR a qualidade de vida do paciente.

conhecendo os fatores de risco

A idade é o principal fator de risco para o desenvolvimento de demência da Doença de Alzheimer (DA). Após os 65 anos, o risco de desenvolver a doença dobra a cada cinco anos.

As mulheres parecem ter risco maior para o desenvolvimento da doença, mas talvez isso aconteça pelo fato de elas viverem mais do que os homens.

Os familiares de pacientes com DA têm risco maior de desenvolver essa doença no futuro, comparados com indivíduos sem parentes com Alzheimer. No entanto, isso não quer dizer que a doença seja hereditária.

Embora a doença não seja considerada hereditária, há casos, principalmente quando a doença tem início antes dos 65 anos, em que a herança genética é importante. Esses casos correspondem a 10% dos pacientes com Doença de Alzheimer.

Pessoas com histórico de complexa atividade intelectual e alta escolaridade tendem a desenvolver os sintomas da doença em um estágio mais avançado da atrofia cerebral, pois é necessária uma maior perda de neurônios para que os sintomas de demência comecem a aparecer. Por isso, uma maneira de retardar o processo da doença é a estimulação cognitiva constante e diversificada ao longo da vida.

Outros fatores importantes referem-se ao estilo de vida. São considerados fatores de risco: hipertensão, diabetes, obesidade, tabagismo e sedentarismo. Esses fatores relacionados aos hábitos são considerados modificáveis. Alguns estudos apontam que se eles forem controlados podem retardar o aparecimento da doença.

Ana Farias postou isto no dia 07 de outubro de 2014.


Comentários
Design e programação: Isabella Sivic & Danielle Cabral