Já vimos esse filme, infelizmente

Quando lemos o título dessa reportagem no site do UNICEF não entendi de primeira. Ai, parei e reli… e sabe quando você não acredita? Exatamente isso. Sabe, aconteceu algo parecido na região onde a Malala morava e já tínhamos achado um absurdo. Uma criança não ter a oportunidade de estudar é um crime. Isso só prova que nessas regiões, os que se dizem líderes estão é com medo. Medo que essa geração, com estudo, busque informação e comece a mostrar que possuem direitos. Que possuem apoio fora daquela região. Medo de perder esse poder. Ai pensamos, poder nunca trará respeito. Apoio. Isso odos precisam conquistar, e esses ditos líderes não irão consquistá-los nunca.

O UNICEF CONDENA RAPTOS DE CRIANÇAS

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) condena veementemente o rapto de dezenas de meninos, alguns com apenas 13 anos de idade, por um grupo armado perto de Malakal na região norte do Sudão do Sul. Uma equipe do programa de educação do UNICEF reportou que 89 crianças foram raptadas enquanto faziam os seus exames escolares. No entanto, avalia-se que o número de raptos possa ser muito maior. O incidente ocorreu na comunidade de Wau Shilluk, no Estado do Alto Nilo, para onde milhares de pessoas fugiram devido ao conflito em curso no país. Segundo testemunhas, soldados armados cercaram a comunidade e procuraram casa por casa. Os meninos com mais de 12 anos de idade foram levados à força. O representante da UNICEF no Sudão do Sul,

buy cialis cheap canada

Jonathan Veitch, apelou ao grupo armado para que liberte as crianças imediatamente. “O recrutamento e uso de crianças por forças armadas destrói famílias e comunidades. As crianças são expostas a níveis de violência inimagináveis, perdem as suas famílias e a oportunidade de ir à escola”, disse Veitch. O UNICEF lembra a todas as partes envolvidas no conflito que o recrutamento e utilização de crianças em forças e grupos armados é uma grave violação da legislação internacional.

Fonte – UNICEF Br

Ana Farias postou isto no dia 12 de março de 2015.


Comentários
Design e programação: Isabella Sivic & Danielle Cabral